Desde morte do chefe do tráfico, policiamento foi intensificado na cidade paraguaia - Foto: Divulgação

Prisões ocorreram em Pedro Juan Caballero, em operação policial

Desde morte do chefe do tráfico, policiamento foi intensificado na cidade paraguaia - Foto: Divulgação
Desde morte do chefe do tráfico, policiamento foi intensificado na cidade paraguaia – Foto: Divulgação

Em meio a suspeita de que o assassinato do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani estaria ligado ao interesse do Primeiro Comando da Capital (PCC) em monopolizar o tráfico de drogas na fronteira, três homens que seriam da organização criminosa foram presos e a polícia investiga se tiveram envolvimento na execução.

Rafaat foi morto a tiros, em emboscada que aconteceu na noite de quinta-feira (15), em Pedro Juan Caballero. Os suspeitos de integrarem a facção foram presos na mesma cidade paraguaia, anteontem (20), e identificados como Cristian Souza Do Nascimento (34), Luciano Ibarra (39) e Jackson Da Silva (35), conforme divulgação do site ABC Color. O trio ocupava Siena, com placas de Campo Grande, quando foi abordado em operação policial.

De acordo com as informações da Polícia Federal do Brasil, os três presos têm importantes relações no Paraguai e seriam parte do grupo criminoso Primeiro Comando da Capital (PCC).

Desde a morte do poderoso líder do tráfico, é tenso o clima na região da fronteira brasileira com o país – maior produtor da maconha. Na mesma semana da execução de Rafaat, comércios dele foram incendiados, tiroteio tomou conta da região e três pessoas foram assassinadas.