Deputada Tereza Cristina é cotada para vice de Alckmin à Presidência

A deputada federal por Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina (DEM), figura entre os cotados para a vice-presidência da República na chapa do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). De acordo com o ex-prefeito de Dourados e presidente da sigla no Estado, Murilo Zauith, a indicação partiu da Frente Parlamentar Agropecuária, cuja qual Tereza preside.

“A frente indicou o nome dela. Seria um sonho para Mato Grosso do Sul ter a Tereza como vice-presidente”, disse ao Midiamaxnesta quinta-feira (26). A demista assumiu mandato na Câmara dos Deputados em fevereiro de 2015, quando ainda pertencia ao PSB do deputado federal Elizeu Dionizio.

No mês passado, o nome da deputada repercutiu nacionalmente, após um jantar em Brasília em comemoração a aprovação de lei que flexibiliza o uso de agrotóxicos. Presidente da comissão, Tereza foi apelidada pelos pares de bancada de “musa do veneno”.

Antes de assumir cadeira na Casa Legislativa, a parlamentar foi secretária de Desenvolvimento Agrário, Produção, Indústria, Comércio e Turismo no governo André Puccinelli (MDB), diretora-presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal), Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Acrissul (Associação dos Criadores de MS) e Aprosul (Associação dos Produtores de MS).

A possibilidade, segundo Murilo, ainda é discutida pelas siglas, pois há outros nomes também cotados para o posto, como do ministro da Educação do governo Temer, Mendonça Filho (DEM-PE), Aldo Rebelo (Solidariedade), ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, senadora Ana Amélia (PP-RS), além da vice-governadora do Piauí, Margarete de Castro Coelho (PP).

Mais cotados

Além desses nomes, outra possibilidade ainda discutida pelo presidenciável, é a composição de chapa com o PR, que indicou o empresário Josué Gomes da Silva para o posto. Indicado, Mendonça Filho disse em coletiva de imprensa momentos antes do ‘Centrão’, composto por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade, oficializar apoio a Alckmin que, caso Josué retroceda nas negociações, Rebelo seria um bom quadro.

“Josué é qualificado e sério e por Aldo tenho muito respeito e apreço pessoal”, afirmou o ministro. Agora, com o apoio do ‘Centrão’, o tucano terá 14 minutos e 47 segundos a mais de tempo de TV, contando programas eleitorais e inserções na grade de programação.