O atraso nos trabalhos atrapalhou, por exemplo, a realização do pagamento dos servidores municipais

O município de Eldorado ficou uma semana com seu sistema de informática travado e com todo o trabalho prejudicado após um hacker invadir, bloquear e cobrar cerca de R$ 7 mil para liberar a plataforma onde estão  todos os dados referentes à prefeitura local.

Já há alguns anos a prática de invadir sistemas de gerenciamento, sequestrando informações importantes que constam ali, além de bloquear o acesso aos mesmos, é realizado por criminosos especializados nesse tipo de ilegalidade. A cobrança, geralmente, é feita em criptomoedas, como os bitcoins.

“Rapaz, isso aí atrasou todo o nosso lado aqui. Pessoal entrou na sexta-feira passada (23) e viu que tínhamos sido invadidos e o sistema todo travado. Chegamos até a registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil, mas ainda não foi identificado quem pode ter feito isso”, explica o prefeito Aguinaldo do Santos (Patri).

Ainda de acordo com Aguinaldo, o pedido foi feito em criptomoedas, que nada mais são do que moedas virtuais. “Minha secretária de finanças contou que o valor cobrado ficou entre R$ 6 mil e R$ 7 mil”, revela o chefe do Executivo de Eldorado.

Durante uma semana, as atividades ficaram praticamente paralisadas na cidade, enquanto as equipes de tecnologia da informação da prefeitura tentavam recuperar o acesso ao sistema e aos dados ali contidos. Apenas nesta sexta-feira (30) é que foi possível chegar próximo da normalidade e começar a tirar o atraso no trabalho.

“Hoje é que estão conseguindo normalizar tudo. Não pagamos o valor que foi pedido e conseguimos recuperar algumas coisas já. Vai ser aos poucos que vamos arrumar. Perdemos algumas informações, mas me falaram que é algo recuperável. E assim vamos recuperando o nosso sistema”, frisa Aguinaldo.

O atraso nos trabalhos atrapalhou, por exemplo, a realização do pagamento dos servidores municipais. A intenção do prefeito era fazer o depósito já na quinta-feira (29), mas não conseguiu devido ao bloqueio. “Se tudo der certo, vamos pagar na segunda-feira (3). O importante é que não teve prejuízo financeiro”, diz.

 

Fonte: Jornal do Conesul