Agentes cumpriram 62 mandados de busca e apreensão, na manhã desta quarta-feira (5). Segundo o Ministério Público do Paraná, há denúncia de ‘fura-fila’ na vacinação e indícios de prejuízo de R$ 19 milhões aos cofres públicos.

 

Uma operação do Ministério Público do Paraná (MP-PR) prendeu sete pessoas e cumpriu mandados de busca e apreensão contra o prefeito de Umuarama, no noroeste do estado, Celso Pozzobom (PSC), na manhã desta quarta-feira (5).

A ação investiga o desvio de verbas do Fundo Municipal de Saúde. O prejuízo pode chegar a R$ 19 milhões, segundo a investigação. Um diretor de um hospital, empresários e dois servidores públicos foram presos.

Os agentes cumpriram 62 mandados de busca e apreensão, sendo que dois foram cumpridos na casa e no gabinete do prefeito, conforme o MP-PR. Além de Umuarama, também houve mandados em Cascavel, Boa Vista da Aparecida e Brasília.

Os promotores disseram ainda que a operação também apura um esquema de “fura-fila” na vacinação contra a Covid-19. A investigação apontou pelo menos 10 pessoas que receberam a dose indevidamente, beneficiando autoridades da cidade e familiares.

Segundo o MP-PR, a secretária de Saúde foi afastada do cargo com autorização da Justiça. Também houve o bloqueio de ativos financeiros e proibição de empresas investigadas de contratar com o poder público.

G1 entrou em contato com a Prefeitura de Umuarama e aguarda retorno.

Investigações

 

O órgão afirmou que as investigações começaram no início de 2020. Há indício de fraudes em licitações, com superfaturamento de contratos, emissões de notas fiscais frias, depósitos em contas de investigados e terceiros, segundo o MP-PR.

As investigações indicam a atuação de uma organização criminosa suspeita de praticar os crimes de peculato e falsidade ideológica. Empresas ligadas ao grupo eram beneficiadas no esquema, de acordo com o Ministério Público.

Além do prejuízo estimado em R$ 19 milhões, os promotores apuraram que desvios de recursos de entidades filantrópicas, que prestam serviços médico-hospitalares, foram usados para compra de equipamentos náuticos e construção de uma casa de veraneio em Porto Rico, também no noroeste.

A investigação apontou um possível envolvimento do prefeito de Umuarama com as irregularidades, de acordo com o órgão.

O MP-PR informou que apreendeu documentos e equipamentos eletrônicos, que serão periciados. Por outro lado, provas foram coletadas por meio de interceptações telefônicas e quebras de sigilos bancário, fiscal e telemático.

Equipes da Polícia Militar e do Gaeco também estiveram na sede da 12ª Regional de Saúde, na Secretaria Municipal de Saúde, em hospitais da cidade e na Prefeitura de Umuarama.

O outro lado

 

A Secretaria de Estado da Saúde afirmou que a Regional de Saúde de Umuarama apresentou os documentos solicitados pelo Gaeco na operação. Segundo a Sesa, as informações solicitadas são referentes ao fluxo de entrada e saída de doses.

A pasta disse que é responsável pela distribuição de doses aos municípios, mas que a estratégia e aplicação dos imunizantes são dos municípios.

Policiais foram até a sede da 12ª Regional de Saúde — Foto: Diego Canci/RPC

 

Fonte: G1