Vereadores de Mundo Novo usam a tribuna em protesto a demora na liberação de corpos vítimas de homicídios

Não havendo apreciação de projetos para votação, os vereadores utilizaram a tribuna na Sessão Ordinária da Câmara de Mundo Novo na noite de segunda-feira 8, para reivindicações e cobranças ao Executivo e outras pautas, sendo predominante entre os pares a indignação de populares e familiares pelo entrave de procedimentos ao translado do corpo de uma vitima de homicídio ocorrido no Bairro São Jorge recentemente.

O vereador Gessé Ferreira Pros, o debate primeiro ao fazer uso da tribuna cobrou dos órgãos responsáveis, maior comprometimento e respeito com as famílias, que ficaram por longo período presenciando o escafes do ente querido alvejado por arma de fogo, sem poder pelos socorristas ter a retirada do corpo, seguindo orientação do Ministério Publico.

O vereador Gildo Amaral MDB, policial civil aposentado, esteve explanando que os procedimentos da pericia eram realizados pelos policias civis do município, com tomadas de fotos, que encaminhavam ao perito criminal responsável em Naviraí ou Dourados e o médico local para o laudo de constatação do óbito.

Conforme o vereador mdebista, que há três anos aproximadamente o MP determinou que ação poderia ser realizada somente por peritos criminais e médicos legistas, devido aos processos judiciais.

Por iniciativa do vereador Gildo os demais colegas de parlamento deverão participar da assinatura ou comissão para debater com o Governo viabilidade de mais profissionais para atendimento da demanda, sendo a cidade de Naviraí polo, e Dourados para atender em plantão, com atraso considerável ao deslocamento dos peritos e o translado no caso de homicídio e similares.
A vereadora Nilva Ramos PRB, além dos transtornos para famílias com a demora para o ato fúnebre relatou o descaso no atendimento nos hospitais habilitados de Dourados e Campo Grande para atender o Estado, quanto para vaga zero e outros atendimentos de extrema complexidades , ficando pacientes pelos corredores.
A vereadora Nilva Ramos PRB, além dos transtornos para famílias com a demora para o ato fúnebre relatou o descaso no atendimento nos hospitais habilitados de Dourados e Campo Grande para atender o Estado, quanto para vaga zero e outros atendimentos de extrema complexidades , ficando pacientes pelos corredores.
O ex- secretário de Saúde, o vereador Paulo Ricardo PT, disse em uma reunião na Capital aos demais secretários de outros municípios, quando respondia pela pasta que Mato Grosso do Sul, de medidas de deliberação de recursos ao estado do Paraná, exemplo da parceria de sucesso com o hospital de combate ao câncer de Cascavel que consegue atender pacientes de vários municípios sul matogrossenses.
As sessões são transmitidas ao vivo na página da Câmara e site: camaramundono.ms.gov.br