Michel Teló iria se apresentar no dia 24 de abril, último dia da 2ª Expo de Brasilândia. (Foto: Divulgação)
Michel Teló iria se apresentar no dia 24 de abril, último dia da 2ª Expo de Brasilândia. (Foto: Divulgação)
Michel Teló iria se apresentar no dia 24 de abril, último dia da 2ª Expo de Brasilândia. (Foto: Divulgação)

A Justiça determinou a suspensão do show do Michel Teló que estava marcado para o próximo domingo, dia 24 de abril, em Brasilândia, que encerraria a 2ª Exposição em comemoração do aniversário de 51 anos da cidade. O município pagaria R$ 145 mil pela apresentação.

O prefeito de Brasilândia Jorge Diogo (PDT) disse que vai recorrer da decisão. Além disso, a classe empresarial e comercial fez uma parceria com a prefeitura para a realização do evento, que teria pago apenas o show de renome nacional. A Associação Comercial da cidade teria arcado com as demais atrações.

“Aguardamos pelo menos 25 mil pessoas. A população de baixa renda também sai ganhando porque é um show a porteiras abertas”, pontuou o prefeito.

Segundo a decisão, o município não poderia, em ano eleitoral e diante da grave crise política e econômica que assola o país, gastar a alta quantia para a realização de um show. Além disso, o Ministério Público do Estado (MP-MS) investiga uma dívida de R$ 1,5 milhão do Hospital Júlio César Paulino Maia, que sobrevive de repasse municipal.

Na lista apresentada pelo MP, conta problemas de reajuste de salários de profissionais da educação, condições materiais de funcionamento do Conselho Tutelar, ausência de aterro sanitário, falta de acesso integral verificado na Lei de acesso à informação e da transparência, necessidade de recuperação do córrego da aviação, péssimas condições do transporte escolar rural, falta de manutenção das ruas da cidade, ausência de funcionários suficientes para prestar serviços no Centro de Educação Infantil (Ceinf) Gisele Hipler.

Antes da Ação Civil Pública, o MP enviou uma recomendação ao prefeito Jorge Diogo que insistiu em manter o show. O juiz de Direito em Substituição Legal, Rogério Ursi Ventura, ainda definiu multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

Fonte: Portal do Cone Sul